Sunday, November 06, 2005

Os limites da dialéctica

Ignorância e sabedoria são como duas faces opostas de uma moeda que não se atira em sorte quando jaz inerte. Posta habilmente a girar, cada uma vai sucessivamente dando lugar à outra num ideal e harmonioso movimento perpétuo. E se há aqueles que, portadores de uma tremenda falta de jeito, não conseguem fazê-la rodopiar mais que uma inconsequente fracção de segundo, outros há que, possuidores de curiosa e tenaz persistência, repetem ad infinitum a operação, apurando a perfeição do gesto e prolongando o efeito alcançado.
Claro que nada disto faz sentido quando se tem a desdita de ter que aturar e retorquir a conversa de um sujeito sem trocos.

(reposição)