Tuesday, January 31, 2006

Long live the new flesh


Videodrome | David Cronenberg | Canadá, 1982
(em retrospectiva na Cinemateca desde ontem)

Snow white and the seven posts


Michael Kenna | Seven Posts in Snow, Rumoi, Hokkaido, Japan | 2004

Warholismo ou nem por isso

Um dia todos os blogs terão quinze links de fama. Ou não.

Monday, January 30, 2006

Menos um

Confesso. Cedi à tentação. Na falta de alternativas no cartaz desta terriola que me viu nascer, lá fui esta noite espreitar O Crime do Padre Amaro. Já são poucos os portugueses que ainda não viram a Soraia Chaves nua e não gosto que me apontem o dedo acusador. A crítica? Sim, a moça será melhor atrás que actriz, não duvido, e não, o filme não vale nada, butt ... who cares?

Ai o orvalho

4.58 AM. Vou à janela, levanto a persiana, espreito a noite lá fora. Uma camadita de geada reluzente cobre os tejadilhos estacionados no frio da rua. Ainda não foi desta que a vi cair.

Hamas

são verdes.

Sunday, January 29, 2006

Isto só a mim

Passar a noite em branco e não acordar a tempo de ver a neve.

Saturday, January 28, 2006

Desclassificada

Aliciava sujeitos sob falsos predicados.

She's got the look

Friday, January 27, 2006

À beira de um ataque de nervos

Vou à sala espreitar a televisão e pasmo, indignado. A RTP1 está a passar neste momento The Big Sleep (À Beira do Abismo) do Howard Hawks numa desenxabida e horripilante versão colorida. Tamanha heresia estética nem sequer me afecta particularmente porque sou um feliz detentor deste clássico título em DVD, no seu magnífico preto e branco original assinado por Sidney Hickox. Mas fico tão fodido com atentados à integridade artística assim servidos por apregoados fornecedores de um autoproclamado serviço público que, fatal como o destino, desato sempre a praguejar sozinho e a escrever caralhadas a torto e direito. E não me chamem purista ou picuinhas ou ainda respondo forte e feio ao atrevido ignorante. Na certa, algum imbecil também defensor das dobragens ...

Vivian (Bacall): "... speaking of horses, I like to play them myself. But I like to see them work out a little first. See if they're front-runners or come from behind... I'd say you don't like to be rated. You like to get out in front, open up a lead, take a little breather in the back stretch, and then come home free ..."
Marlowe (Bogart):
"You don't like to be rated yourself."
Vivian (Bacall):
"I haven't met anyone yet that can do it. Any suggestions?"
Marlowe (Bogart):
"Well, I can't tell till I've seen you over a distance of ground. You've got a touch of class, but I don't know how far you can go."
Vivian (Bacall):
"A lot depends on who's in the saddle."


The Big Sleep | Howard Hawks | EUA, 1946
(não descobri um movie still decente do diálogo acima transcrito e agora estou amarrado a este)

No leitor de CDs #18

(I KEEP A) CLOSE WATCH

Never win and never lose

There's nothing much to choose

Between the right and wrong

Nothing lost and nothing gained

Still things aren't quite the same

Between you and me


I keep a close watch on this heart of mine


I still hear your voice at night

As I turn out the light

Trying to settle down

But there's nothing I can do

'Cause I can't live without you

Anyway at all


I keep a close watch on this heart of mine


(John Cale)


John Cale | Music for a New Society | 1982 | Rhino

Auto-crítica

Isto está mesmo mao.

Ralação comutativa

Pior que relações sem futuro é um futuro sem relações.

É uma pena

O imaginário seduz-me, o real penaliza-me.
Já não há amnistias como antigamente.


Edward Dimsdale | Quill | 2000

Thursday, January 26, 2006

Down for maintenance

Agora, a frio, agradeço ao Blogger. Nada mais justo. Poupou-me o previsível embaraço dum belo despautério intimista alinhavado ontem à noite a quente em forma de mental draft.

Wednesday, January 25, 2006

Me

Monday, January 23, 2006

Tabu

Este blog não comenta desgraças eleitorais.

Sunday, January 22, 2006

Nonsense

Agora só falta o humor.

O toureiro

O azar dele foi ser colhido por um toiro etimologista dos cornos.

Saturday, January 21, 2006

Dia de reflexão

Não sei por onde vou, não sei para onde vou, não sei se vou, sei que não vou por aí.

Pé ante pé

'O melhor é não correr riscos' calculou o transeunte refreando o passo sobre o tracejado do asfalto. Com tantas cautelas, não admira que o atropelamento tenha sido um choque brutal para ele.

6.11 AM (lendo o Bergman)

Há mais de vinte anos que tenho insónias crónicas, coisa que, em si, não é perigosa, pois é possível vivermos dormindo muito menos do que se dorme. Cinco horas, para mim, são perfeitamente suficientes. Mas o que desgasta é a vulnerabilidade da noite, o que nela se dá enquanto dura: as proporções alteradas de tudo, o repisar de situações vividas, sejam elas estúpidas ou humilhantes, o arrependimento por maldades impensadas ou intencionadas. Amiúde, durante a noite, vêm-me fazer companhia bandos de aves negras: a angústia, a fúria, a vergonha, o arrependimento, a neura. E até para as insónias há rituais: mudar de cama, acender a luz, ler um livro, ouvir música, comer bolachas, beber chocolate ou água mineral.



Ingmar Bergman in Lanterna Mágica | 1987 | Editora Caravela
(trad. Alexandre Pastor)

Band à parte

— 'bora daí beber um copo?
— Vão vocês, pá ... dá o Saraband do Bergman na televisão e ainda não o vi ...
— Hã?


Saraband | Ingmar Bergman | Suécia, 2003

Friday, January 20, 2006

Há dias em que até um malfadado tem sorte

Back on the blog

Há quem diga que nunca devemos voltar aos lugares onde já fomos felizes. Acato por defeito, claro. Mas por que raio é que voltamos sempre aos outros?

Sunday, January 01, 2006

2006

Ainda agora começou e já não posto com ele.