Tuesday, February 28, 2006

Quando o post é o título e o título é um post, das duas uma: o blog não faz sentido.

Do avesso

She wore a wellow mask


Paul Outerbridge | Nude with mask and hat | c. 1936

Monday, February 27, 2006

Da embirração

Foliões de calendário a desfilar o simulacro patético de uma so-called folia.

Sunday, February 26, 2006

She's got the look #2


Julia Margaret Cameron | Ellen Terry at Age Sixteen, Isle of Wight | 1864

Friday, February 24, 2006

4-8-15-16-23-42

Hoje lembrei-me de jogar no Euromilhões utilizando aquela chave da série Lost.
Os sacanas dos números estão mesmo amaldiçoados. Não saiu nem um.

Coco

Era tão míope que só reparou nos acentos quando pegou nele.

Thursday, February 23, 2006

Agressão e insulto ao domicílio

O meu assistente do Círculo de Leitores bate-me à porta com a revista de Março/Abril debaixo do braço. A seguir, pergunta-me se não estou interessado em subscrever as obras completas do Paulo Coelho.

Wednesday, February 22, 2006

Pesar

Os pêsames do gordo são sempre os mais sentidos.

A morte é fodida

Meio da tarde. Um funeral saindo da igreja deixa-me retido no trânsito por alguns momentos. Contingências de quem labora nas imediações deste macabro passeio, observo pela enésima vez um lento cortejo fúnebre de alguém que não conheço. Nestas tristes ocasiões, enquanto espectador distante poupado à dor, lembro-me sempre do cartoon do Quino. Oxalá que o defunto, quem quer que ele fosse, tenha sabido lidar com ela.


(Quino)

Tuesday, February 21, 2006

The long and winning road

Espero bem não levar com esse trocadilho dos quatro de Liverpool daqui a quinze dias. Até lá, I feel fine.

Sunday, February 19, 2006

Da timidez

"A timidez é uma condição estranha da alma, uma categoria, uma dimensão que se abre para a solidão. É também um sofrimento inseparável, como se tivéssemos duas epidermes e a segunda pele interior se irritasse e contraísse perante a vida. Entre as estruturas do homem, esta qualidade ou este defeito são parte da liga que vai fundamentando, numa longa circunstância, a perpetuidade do ser."



Pablo Neruda (1904-1973) in Confesso que Vivi | DN (col. Prémio Nobel)
(trad. Arsénio Mota)

(reposição)

Saturday, February 18, 2006

Curta-metragem

Todas as mulheres são actrizes e todos os homens têm uma actriz fetiche. Ele era apenas mais um crítico frustrado. Não mais que isso.

The man in black


Johnny Cash | American Recordings | 1994
(o meu preferido, produzido pelo insuspeito Rick Rubin, despojado, sozinho no estúdio, guitarra e voz calejadas pelos anos, um punhado de interpretações definitivas do seu baú e de espólio alheio)

No leitor de CDs #21

"At times, I'm a voice crying in the wilderness, but at times I'm right on the money and know what I'm singimg about." (God)

"These songs are just for listening and singing. Don't go out and do it." (Murder)

"What has happened to our love language? It's a shame that those love songs are played everywhere with no follow-up kisses to seal the words." (Love)

excerpted from liner notes by Johnny Cash

Friday, February 17, 2006

La petit femme de César

"Koeman pediu mais agressividade a Petit."

lido n' A Bola.

Serviço público

Atenção, já saiu a Sports Illustrated 2006 Swimsuit Issue (suspiro).

Sin city


Ernst Haas | The Cross, NYC | 1966

Thursday, February 16, 2006

Random state of mind

Ninguém percebia ao certo o que se passava com ele. Ora mais triste, ora melancólico, taciturno, sorumbático, macambúzio... cada dia aparecia com um ânimo diferente que a todos baralhava o rigor do diagnóstico.

Requiem H5N1

O canto do cisne.

Wednesday, February 15, 2006

If you say so

"Men who are unhappy, like men who sleep badly, are always proud of the fact."

Bertrand Russell (1872-1970) in The Conquest of Happiness (1930)

Tuesday, February 14, 2006

Valentine's day

No leitor de CDs #20

(...)
But if you could just see the beauty,

These things I could never describe,

These pleasures a wayward distraction,

This is my one lucky prize.


Isolation, isolation, isolation, isolation, isolation.


(Ian Curtis)


Joy Division | Unknown Pleasures | 1979 | Factory
Joy Division | Closer | 1980 | CentreDate

Substance

Urbano e depressivo. Adjectivos permanentes.

Listen to the silence, let it ring on.
(Transmission)

Here, here,
Everything is kept inside.

So take a chance and step outside.

Pure frustration face to face.

(...)

So lose some sleep and say you tried.

(Autosuggestion)

When routine bites hard,
And ambitions are low,

And resentement rides high,

But emotions won't grow,

(...)

All my failings exposed.

And there's a taste in my mouth,

As desperation takes hold.

(Love Will Tear Us Apart)

(Ian Curtis)


Joy Division | Substance | 1988 | CentreDate
Joy Division | Permanent | 1995 | Qwest/Warner Bros.

Monday, February 13, 2006

Cadastrum vitae

— Então, como vai isso? Já conseguiu arranjar emprego?
— Ainda não, sr. doutor. Só me aparece trabalho para as minhas habilitações ...

O costume

Fui cortar o cabelo. Costumo fazê-lo sempre no Inverno, apesar do frio do costume. Sento-me na cadeira do costume e contemplo o espelho corrido à minha frente. Confirmo os valores reduzidos da abstenção e a crescente ameaça de uma coligação grisalha que aspira à maioria absoluta nos anos que se avizinham.
— Então, é o costume? — pergunta-me, solícito, o barbeiro do costume.
— É ... corte aí um bocadito em toda a volta como é costume. Mas só os brancos — advirto eu, como de costume.
E o costume realmente tem muita força. Mais uma vez, o tipo não conseguiu fazer o serviço como o encomendei. Como é costume, aliás.

(reposição)

No leitor de CDs #19


Music from the motion picture The Bridges of Madison County, feat. Dinah Washington, Johnny Hartman, Barbara Lewis, Irene Krall with The Junior Mance Trio | 1995 | Malpaso

A escolha de Francesca


The Bridges of Madison County | Clint Eastwood | EUA, 1995

Sunday, February 12, 2006

A curious feeling


Toni Frissell | Woman and Two Dachshunds, Vogue | 1939

The thin red line

___________________________________________________________________________

Saturday, February 11, 2006

Perguntar não ofende

Maomé também vai à montanha de Brokeback?

Friday, February 10, 2006

Cuspir na sopa

"O que me apanhou mesmo desprevenido foi a irresponsabilidade do autor ou dos autores dos desenhos. Alguns opinam que a liberdade de expressão é um direito absoluto, o único direito absoluto que existe, enquanto todos os outros são relativos. A realidade crua impõe limites (...) Não se trataria de autocensura, mas de usar o senso comum. Numa situação como a que vivemos, e conhecendo a susceptibilidade que há em redor destes temas, o senso comum ditar-nos-ia o que fazer."
José Saramago ao El País, citado no Público

ou de como há sempre mais alguém a morder a mão que lhe dá de comer.

Thursday, February 09, 2006

Pai, filho e o espírito tanso

"Todas as liberdades e todos os direitos têm que ter limites. E o primeiro desses limites é não anular as liberdades e os direitos dos outros. A minha liberdade cessa, os meus direitos cessam, quando destroem ou afectam gravemente os direitos e as liberdades dos outros."
Freitas do Amaral na TSF (citado no Público)

"Os cartoons dinamarqueses (...) são peças de puro "terrorismo intelectual", e ninguém devia ficar surpreendido com as reacções que geraram no mundo islâmico. A ideia era exactamente essa: mostrar ao mundo quão básicos, primários e “atrasados” são os povos islâmicos. Vir agora dizer que são actos de pura liberdade de expressão artística é de uma candura e inocência que afligem. E dizer que a liberdade de expressão é um valor absoluto espanta. (...)
Infelizmente, ao tratarem Maomé da forma que tratam, os cartoons conseguiram algo que Osama nunca conseguira: unir o Islão. É que não há quase nada em comum entre os milhões de islâmicos, a não ser Maomé. Assim, e apesar de serem propaganda bélica, os cartoons dinamarqueses são absolutamente estúpidos e levianos (...) É preciso ser totalmente estúpido para relacionar Maomé com bombas. É assim como culpar Jesus pela Inquisição. Que se saiba, nunca Maomé promoveu o terrorismo suicida."

Domingos Amaral no Diário Económico

Definitivamente, isto já cansa. Só os tansos apologistas do "respeitinho", do "bom senso" e da auto-censura induzida não compreendem que a inalienável liberdade de expressão e o seu consequente direito à 'blasfémia' não contradizem o dever de respeito pelas convicções religiosas dos indíviduos de per si. É a liberdade destes as professarem que é intocável, não as ideias, crenças, e práticas por eles defendidas.

Secularismo

Há séculos que eles não sabem o que é isso.

Observação

Devia ser véspera de exame. A meio da discussão, num ímpeto, debruçaram-se ao mesmo tempo para consultarem a tabela periódica esquecida sobre a mesa. Quase chocaram as cabeças. Foi quando reparei que havia ali química entre os dois.

Na mérdia

Por norma, os posts deste blog têm em média, quanto muito, duas linhas de texto. Logo, (não) podem ser tão maus como isso.

Palavra de gay



"People won't believe me, but I did not want to be on the cover."

Fashion icon Tom Ford
(former Gucci and Yves Saint Laurent creative director and the guest artistic director of Vanity Fair's 2006 Hollywood portfolio, says of the sexy Annie Leibovitz cover shot of Keira Knightley, Scarlett Johansson, and Ford himself)

Wednesday, February 08, 2006

A religião é o ócio do povo

— Arre chiça, todos os dias a mesma coisa ... mas aquela gente não trabalha?
— ...

(assistindo ao telejornal no seio familiar, ou de como um blogger sem escrúpulos não hesita em denunciar a sua progenitora no altar do 'politicamente correcto')

Liberdade de expressão #7

"If you're really in favor of free speech, then you're in favor of freedom of speech for precisely for views you despise. Otherwise, you're not in favor of free speech."

Noam Chomsky in Manufacturing Consent: Noam Chomsky and the Media

Tuesday, February 07, 2006

Liberdade de expressão #6

Liberdade de expressão #5

O fio do horizonte estreitinho

"Quando os caricaturistas dinamarqueses deformam a imagem de Maomé estão, em primeiro lugar, a pôr em causa a dimensão do sagrado. Independentemente do facto de ser Maomé, devemos pôr a questão: é legítimo caricaturar o sagrado? (...) Estou convencido de que não, e, mesmo sem ser crente, acredito que o religioso é demasiado importante para que as pessoas façam sobre ele caricaturas."

Eduardo Prado Coelho, no Público

Deve e a ver

Feitas as contas, olhou o saldo.

Hic

Tivesse antes optado por cultivar a língua e Baco não falaria latim aos soluços.

Monday, February 06, 2006

Liberdade de expressão #4

Liberdade de expressão #3

Porque é nestes momentos que é importante dar a cara por ela.

Walerian Borowczyk (1923-2006)



"Por mais agradável que seja o amor, ele é mais apreciado pelas formas por que se manifesta do que pelo amor em si."
(La Rochefoucauld, Máximas)

Não por acaso, a citação serve de epígrafe aos Contes Immoraux (Contos Imorais) de Walerian Borowczyk, reputado realizador polaco agora desaparecido, dedicado praticante e empenhado cultor dum certo erotismo arty muito em voga nos anos setenta. Revê-lo hoje é, acima de tudo, reter o cinismo dessa verdade absoluta exemplarmente enunciada. Todavia, uma precoce nostalgia é cúmplice desta breve evocação: quando era puto — nunca me esqueço — cada vez que o antigo segundo canal da RTP anunciava numa daquelas sessões de 'cinema europeu de autor' um filme do Borowczyk (não interessava qual porque já intuía que todos eles 'metiam gajas nuas') via-me logo possuído por um frémito juvenil de impaciente excitação de quem já antecipava o sabor do fruto proibido e tudo planeava ao milímetro para colhê-lo às escondidas. Também por isso, aqui deixo o meu singelo reconhecimento em homenagem a este tipo.


Contes Immoraux | Walerian Borowczyk | França, 1974

Sunday, February 05, 2006

Choque de civilizações

Obrigatório o seguro de danos próprios.

Liberdade de expressão #2

Heaven and hell

Heaven knows i'm miserable now... oh, the hell with it... heaven can wait.

(The Smiths with 'the Lubitsch touch')

Saturday, February 04, 2006

O espantalho sonhador

Tinha a estaca bem assente na terra.

Sonho de trazer pra casa

Sair com ela.

Sonho de trazer por casa

Sair.

Thursday, February 02, 2006

Liberdade de expressão

A cachola é grande e Maomé o seu profeta.


(cartoon via Blasfémias; contextualização aqui e aqui)

Wednesday, February 01, 2006

Sonatine


Sonatine | Takeshi Kitano | Japão, 1993

Sonata

s. f., peça musical para instrumentos, em que as partes divergem em carácter e andamento.

Composição para piano, ou outro(s) instrumento(s). com acomp. de piano em vários andamentos (...) o termo sonata é usualmente reservado para obras que não envolvem mais de dois executantes.
(in Dicionário Oxford de Música)

Soneto

Julga-me a gente toda por perdido
vendo-me, tão entregue a meu cuidado,
andar sempre dos homens apartado
e dos tratos humanos esquecido.

Mas eu, que tenho o mundo conhecido
e quase que sobre ele ando dobrado,
tenho por baixo, rústico, enganado,
quem não é com meu mal engrandecido.

Vão revolvendo a terra, o mar e o vento;
buscam riquezas, honras a outra gente,
vencendo ferro, fogo, frio e calma;

que eu só, em humilde estado, me contento
de trazer esculpido eternamente
vosso formoso gesto dentro n'alma.

(Luís de Camões)