Monday, June 26, 2006

Auto-estimativa vs. auto-estima

— Há dias em que um gajo não pode sair de casa.
— Há dia em que um gajo não devia ter nascido.

Thursday, June 22, 2006

Desperate hours

Ao fim de quatro longas horas na sala de espera de um bloco de urgências hospitalar em que tudo (e mais alguma coisa) nos passa pela cabeça atento o grau de parentesco em linha recta do utente em causa, até compreendo que haja por lá quem, por certo calejado na tortuosa experiência de acompanhante doutra clientela nestes estabelecimentos de má fama, se permita uma leitura reconfortante ou evasiva do infortúnio alheio que ali os levou em saudável solidariedade. Ainda assim, convenhamos, Post-Mortem, um policial de Patricia Cornwell, não terá sido uma escolha particulamente feliz.

Solstício

Às vezes a noite mais curta é a que custa mais a passar.

Monday, June 19, 2006

Ric says:



(private post)

Friday, June 16, 2006

Assim não há pirata que aguente

Estes tipos têm que começar a fazer álbuns mais pequenos. 28 temas, 2 horas de música, 200 MB de download! Ufa.


Red Hot Chili Peppers | Stadium Arcadium | 2006 | acabado de sacar da net e a tocar no iTunes

Thursday, June 15, 2006

Corpo de deus(a)

Sou um agnóstico pragmático. Os feriados religiosos dão-me tanto jeito como os outros desde que não me obriguem a passá-los em missas ou procissões. Pessoalmente, prefiro a rotina insípida de ir até ao café do costume ler o jornal e espreitar a futebolada do dia na Sport TV. Enfim, vidas simples e acomodadas, daquelas que nunca darão azo a um blog interessante, não sei se estão a ver (ou a ler). Adiante. Enquanto ali distraio o olhar entre um enfadonho Inglaterra-Trindade e Tobago (2-0) e a leitura intermitente da crónica do Pacheco no Público de hoje, reparo na escultura eslava acabada de entrar acompanhada de dois matulões carrancudos oriundos pela pinta das mesmas paragens. O trio senta-se na mesa do fundo e, óbvio, a loira aparição disputa agora a atenção dos presentes ao plasma gigantesco. Tanta, que a dada altura até o Eriksson parecia olhá-la desde o banco inglês, if you know what i mean. Mas é quando ela se levanta e dirige aos lavabos que sinto uma fé renascida confirmar em absoluto a justeza do santo epíteto. No regresso bamboleante de tão essssssguios quadris, contornando à ilharga a minha cadeira e o seu deslumbrado ocupante, não evito um suspiro para mim próprio: "que corpo, meu deus!"

Wednesday, June 14, 2006

Dharma initiative


(Lost in zapping)

Tuesday, June 13, 2006

Lapsos

Esta coisa das gaffes tem muito mais piada na boca dos outros. Hoje, no meio duma converseta de contornos supostamente literatos e eruditos, pensava eu no nobel alemão Heinrich Böll e saiu-me disparado o nome do austríaco Hermann Broch. Naquela ínfima fracção de milionésimos de segundo em que o nosso cérebro visualiza o nome antes de o verbalizar, algo me desfocou o raio das letras e foi quanto bastou para aterrar do outro lado da fronteira. Valeu-me o cuidado que sempre ponho na pronúncia da onomástica estrangeira e uma aparente ignorante indiferença da interlocutora de ocasião. E não, por acaso até nem estava a 'visualizar' nada disso.

Ars longa, vita brevis

Tenho a perfeita noção que nunca conseguirei ler no tempo que me resta a maioria dos livros que repousam nas estantes sobrelotadas em meu redor. Outra coisa é apontarem-me a incongruência de continuar a comprá-los. Correm o risco duma lombada na cara.

Monday, June 12, 2006

Looks and brains


GM Alexandra Kosteniuk (Russia, 2540)
Sanja Dedijer (Bosnia Herzegovina, 2068)

História mínima

CAMPONÊS plantando árvores e HOMEM solitário. Aproxima-se a hora solene do ocaso. O HOMEM, que percorrera todos os caminhos do mundo, suspira profundamente.

HOMEM — (Depois de um longo silêncio) Ouça.

CAMPONÊS — O quê?

HOMEM — (Com voz cansada) Plante-me também a mim.

CAMPONÊS — (Surpreendido) Como?

HOMEM — Plante-me a mim.

CAMPONÊS — (Sem demonstrar a surpresa) Porquê?

HOMEM — Estou cansado.

CAMPONÊS — E como quer que o plante?

HOMEM — Como se fosse uma macieira.

CAMPONÊS — Está a falar a sério?

HOMEM — Não sei falar de outra forma.


Pausa. O CAMPONÊS encolhe os ombros, põe o homem às costas, mete-o no buraco pequeno e enterra-o até aos tornozelos. O HOMEM, que abrira os braços em cruz, levanta os braços para o céu e fica muito quieto, quase sem respirar, à espera do milagre de uma nova primavera que o faça, por fim, frutificar.




Javier Tomeo in Histórias Mínimas | Livros Horizonte
(trad. Maria Dulce Teles de Menezes / Salvato Teles de Menezes)

Rest in quê?

"Devias era pensar no teu futuro", atira-me a minha mãe amiúde naquele tom lamentado e recriminatório que todo o filho solteiro se farta de ouvir com o passar dos anos. Estado civil à parte, aproveito a deixa pra pensar no rest(o) do futuro. Até ver, corpo e espírito — ao que dizem, partes interessadas na questão — não se entendem na matéria. Indecision rules. Enterro tradicional ou cremação? Só coisas que me apoquentam, pá.

Sunday, June 11, 2006

Diário do Mundial

Friday, June 09, 2006

Bem vistas

— Prefiro as mulheres com grandes lábios, tipo Angelina Jolie... e tu?
— Também, mas bem vistas as coisas, todas elas têm grandes lábios...

one, two, three, four, five senses working overtime *

Desgraçadamente, ela apreciava mais o sentido de humor que os sentidos do humorista.

* Xtc

Thursday, June 08, 2006

A arte do retrato


Arnold Newman | Martha Graham | 1961


Arnold Newman | Pablo Picasso, Vallauris, France | 1954
Arnold Newman | Woody Allen, New York | 1996



Arnold Newman | Igor Stravinsky, New York | 1946

Arnold Newman (1918-2006)

Evocando o desaparecimento anteontem de Arnold Newman, lê-se hoje no Público num pequenino obituário para tão grande fotógrafo:

"O olhar crítico do fotógrafo tem uma das suas maiores expressões no retrato do alemão Alfred Krupp, captado na sua fábrica em Ruhr, na Alemanha: um homem demoníaco de cara longa e mãos fechadas num gesto sinistro. A repulsa causada pela imagem não é acidental: Newman sabia que Krupp se aproveitara de mão-de-obra escrava durante a segunda guerra, e fora um sério apoiante do regime Nazi. Depois de ver o resultado da sessão fotográfica, o industrial declarou Newman persona non grata na Alemanha."

Ora, nestas coisas, há que mostrar os bois pelas fotos.


Arnold Newman | Industrialist Alfried Krupp, Essen, Germany | 1963

Wednesday, June 07, 2006

No leitor de CDs #25


The Tyde | Twice | 2003 | Rough Trade
(descoberto ontem no meio do entulho da Worten, a 4,99 €!)

Tuesday, June 06, 2006

06-06-06

Pobre diabo... três zeros à esquerda.

Dica

Se estão a pensar mudar de casa pensem duas vezes antes de comprar um apartamento a duzentos metros do Lidl. São duas da manhã e o caralho do alarme dos gajos está pra ali a tocar há mais de um quarto de hora. Não, não é um caso virgem. A puta da sirene dispara quase todas as noites, às vezes mais que uma vez, e não consta que o faça como banda sonora de qualquer vaga de furtos. Depois não digam que não avisei.

Sunday, June 04, 2006

Primavera/Verão 2006


© Blue Note

Cuidados paliativos

Apagar um post quando apetece apagar o blog.

Debalde

Tentou com uma bacia e desistiu.

Oportunidades perdidas

That's my goal. E não falo só de jogar à bola.

Profeta

"O mundo árabe só terá futuro se separar a religião do Estado (...) onde a democracia reine realmente, o homem tenha o direito da diferença, de não-fé como de fé (...) Se não há laicidade não há futuro (...) É possível discutir com um homem de fé, mas com um homem que transformou a sua fé religiosa em ideologia não se pode discutir."

Adonis (n. 1930- ) poeta árabe contemporâneo, entrevistado no Mil Folhas do Público. A ler e a seguir.